Dicionário Financeiro | Focalise

Dicionário Financeiro

A

Termo genérico usado para definir a cotação do primeiro negócio do dia de um determinado ativo cotado em bolsa de valores, que pode ser uma ação, um contrato futuro ou outros.

O abono anual é uma espécie de 14º salário, calculado com base no valor de um salário mínimo, pago anualmente aos trabalhadores. Porém, apenas os trabalhadores que se enquadram nas seguintes condições possuem direito ao benefício: receberam a remuneração de até dois salários mínimos mensais, em média, durante o ano anterior; trabalharam no ano anterior pelo menos 30 dias com carteira registrada; sejam cadastrados no PIS/PASEP há pelo menos cinco anos.

Valor mobiliário emitido pelas sociedades anônimas, representando a menor fração do capital destas empresas. As empresas emitem ações para aumentar o capital social, e os recursos levantados podem ser utilizados para vários fins, sobretudo futuros investimentos.

Ação no qual o investidor tem o direito de receber dividendos e bonificações ou exercer subscrições, o que a diferencia de uma ação "ex" ou "vazia", onde estes direitos já foram exercidos.

Termo que denomina as ações que foram emitidas e posteriormente recompradas pela própria empresa. Na maioria das vezes, a empresa opta pela recompra das ações como forma de obter ações para os programas de incentivo de empregados, ou para mais tarde serem dadas na forma de proventos aos acionistas da empresa.

É uma ação que circula nos mercados de capitais sem a emissão de certificados ou cautelas, sendo escrituradas por um banco, que atua como depositário das ações da empresa e que processa os pagamentos e transferências por meio da emissão de extratos bancários. Não existe movimentação física de ações.

Ação negociada no pregão de uma bolsa de valores.

É uma ação cujo certificado é nominal ao seu proprietário. O certificado, entretanto, não caracteriza a posse, que só é definida depois do lançamento no Livro Registro das Ações Nominativas da empresa emitente.

Ações que conferem ao acionista direito de voto na empresa, na realização das assembleias de acionistas. São ações normalmente menos negociadas no mercado que as preferenciais e, portanto, de menor liquidez.

Ações que garantem aos acionistas maior participação nos resultados da empresa, mas que não dão direito a voto. A preferência diz respeito à distribuição dos resultados, ou seja, os acionistas preferenciais têm prioridade no recebimento de proventos e no reembolso de capital em caso de dissolução da sociedade em relação aos demais acionistas. Em geral, são as ações mais negociadas e, portanto, de maior liquidez.

Ação cujos direitos (dividendos, bonificação, subscrição) já foram exercidos.

É uma forma de financiamento utilizada por empresas exportadoras, através da qual a empresa recebe antecipadamente recursos, que são utilizados no financiamento da sua produção. Assim, o banco concede à empresa exportadora uma antecipação dos reais equivalentes à quantia em moeda estrangeira que a empresa iria receber pelas suas vendas a prazo. A antecipação pode ser parcial ou total.

Mesmo conceito que o ACC (Adiantamento de Contrato de Câmbio), a única diferença é que a antecipação de capital ocorre quando a mercadoria já está pronta e embarcada, podendo ser solicitada em até 60 dias após o embarque.

Ato de aprovação por parte da seguradora da proposta efetuada pelo segurado para a cobertura de seguro de um determinado risco, sendo que é com base nesta proposta que será emitida a apólice de seguro.

Uma das modalidades de seguro existentes no mercado, cujo evento gerador do sinistro é um evento involuntário causado por acidente externo, súbito e violento que leva o segurado a sofrer lesão física. Esta lesão, por si só, poderá causar a morte, invalidez permanente ou tornar necessário o recebimento de atendimento médico.

Possuidor de ações de uma sociedade anônima, o que o caracteriza como proprietário de uma parcela da empresa proporcionalmente à quantidade de ações detida.

Termo usado para designar o indivíduo, empresa, ou grupo de pessoas que através dos seus direitos de sócio conseguem efetivamente, e de maneira permanente, controlar as votações e deliberações durante a assembléia geral da empresa, assim como nomear a maior parte dos administradores da empresa.

Termo usado para designar os acionistas que mediante o reembolso do valor de suas ações decidem retirar-se da companhia, exercendo dessa maneira o seu direito de recesso. Vale ressaltar que o acionista cuja ação for de classe que tenha liquidez e dispersão no mercado não poderá exercer esse direito. Uma ação será considerada dispersa quando o acionista controlador detiver menos do que a metade dessa classe de ação, e liquida quando a mesma fizer parte de algum índice negociado no Brasil ou exterior e que seja definido pela CVM - Comissão de Valores Mobiliários.

Acionista que possui uma quantidade de ações com direito a voto que lhe permite manter o controle acionário de uma empresa.

Acionista que possui uma quantidade de ações que não é suficiente para manter o controle acionário de uma empresa.

Forma de colaboração entre organizações que não implica na constituição de nova entidade e que pode incluir desde acordos técnicos e financeiros, até parcerias, sendo que esta última é considerada a forma mais evoluída de cooperação.

Linha de crédito na qual o banco mantém os recursos disponíveis para o tomador durante todo o período de duração do acordo. Contudo, como os recursos estão à disposição do tomador, independente de serem ou não usados, os bancos tendem a cobrar mais caro por estas linhas de crédito.

Termo usado na indústria de cartão de crédito que denomina as empresas responsáveis pela filiação, gerenciamento e relacionamento com os estabelecimentos comerciais. No Brasil estão presentes a RedeCard, VisaNet e o Amex. Cada uma delas é responsável pelo relacionamento com os estabelecimentos que recebem cartões de bandeiras específicas, ou seja, cada bandeira tem apenas um acquirer. Por exemplo, a Redecard é responsável pelos estabelecimentos da maioria das bandeiras (Mastercard, Diners Club e RedeShop), enquanto a VisaNet e o Amex são responsáveis respectivamente pelos estabelecimentos que trabalham com os cartões das bandeiras Visa e American Express.

A maior parte dos contratos de seguro é, na verdade, composta de contratos de adesão, pois seus termos e condições são elaborados pelo segurador e o segurado simplesmente adere ao contrato. Exatamente por isto, nos contratos em que existe ambigüidade é necessária a intervenção de um juiz. Os contratos de seguros de riscos comerciais, industriais e marítimos e de aeronaves não são mais chamados de contratos de adesão, pois é o próprio segurado que negocia os termos do contrato com a seguradora, o que não acontece com os chamados seguros de massa. Pela mesma razão, os contratos de re-seguro também não são considerados como sendo de adesão, pois ambas as partes pertencem à mesma indústria e, portanto, existe negociação de cláusulas.

Condição adicional incluída no contrato de seguro, além das já previstas anteriormente.

Projeção do comportamento de preços de ações a partir do estudo de características particulares de cada empresa, em seu mercado de atuação. Utiliza-se das demonstrações financeiras divulgadas pela empresa, assim como informações setoriais e macro econômicas para fundamentar recomendações sobre quais papéis devem ser comprados ou vendidos.

Através da análise marginal é possível comparar os custos incorridos com os benefícios obtidos de algumas estratégias financeiras, o que possibilita que a empresa analise melhor sua estratégia na tentativa de maximizar a sua lucratividade.

Também denominada Análise Gráfica, é uma metodologia que se baseia no comportamento de ações listadas em bolsa ou outros ativos no passado e procura avaliar as possibilidades de flutuações futuras. Em geral, este tipo de análise é usado para se projetar o desempenho de curto prazo de uma ação, enquanto a análise fundamentalista é mais usada para períodos mais longos. O analista técnico, ou grafista, baseia-se nos princípios que os preços se movem em tendências persistentes ao longo do tempo e também através de padrões gráficos. Uma vez determinada essa tendência e padrões, é possível estimar qual o melhor momento para comprar ou vender uma ação.

Sigla se refere à Associação Nacional de Bancos de Investimento, que representa as instituições financeiras que operam no mercado de capitais. Os associados são, basicamente, os bancos de investimento e os bancos múltiplos com carteira de investimento. Dentre as responsabilidades da Anbid está a coleta e consolidação de informações referentes à indústria de fundos de investimento. Além disto, a entidade é responsável pela determinação dos critérios de classificação dos fundos em categorias e subcategorias. Em 21/10/2009, a ANBID integrou suas atividades às da ANDIMA passando ambas a constituir a ANBIMA - Associação Brasileira das Entidades dos Mercados de Capitais.

Sigla que denomina a Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro. Criada em 1971, a Andima é uma entidade civil sem fins lucrativos que reúne instituições financeiras, incluindo bancos (comerciais, múltiplos e de investimento), sociedades corretoras e distribuidoras. A Andima se destaca como uma importante prestadora de serviços, oferecendo suporte técnico e operacional às instituições, fomentando novos mercados e trabalhando pelo desenvolvimento do Sistema Financeiro Nacional. Em 21/10/2009, a ANDIMA integrou suas atividades às da ANBID, passando a constituir a ANBIMA - Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais.

Valor cobrado anualmente pela administradora do cartão de crédito pelos serviços prestados. Muitas instituições já isentam deste pagamento seus melhores clientes.

O investidor precisa respeitar um valor preestabelecido, o mesmo conceito se aplica sempre que considerar novos investimentos. Em alguns casos os fundos diferenciam o valor mínimo da aplicação inicial do valor mínimo de novas aplicações. Desta forma, um fundo pode exigir, por exemplo, uma aplicação mínima de R$ 10 mil e, para novos aportes, o valor passa para R$ 1mil.

Termo usado pela indústria de seguros, que denomina o documento mais importante na hora em que se contrata um seguro. Isto porque a emissão da apólice implica na aceitação da proposta e do contrato de seguro por parte da seguradora. Assim que receber a proposta, a seguradora tem 15 dias para emitir a apólice, que tem como objetivo exprimir de forma concisa e sucinta os principais tópicos cobertos pelo contrato.

O termo "aporte" é usado para definir a primeira contribuição feita quando o investidor adere a um plano de previdência. Já o termo "aplicação" é usado para se referir à primeira aplicação feita por um investidor em um fundo de investimento.

Termo usado para definir o questionamento, avaliação e inovação das práticas de gestão e padrões de trabalho

Operação em que se busca obter resultado positivo através do posicionamento em dois ativos ou dois mercados que apresentem variações na diferença entre seus preços.

Sigla que vem do inglês "Average Revenue Per User". Em português significa receita média por usuário e é um termo muito utilizado para medir o desempenho de operadoras de telecomunicações.

Reunião de acionistas, de convocação não obrigatória, convocada na forma da lei e dos estatutos, a fim de deliberar sobre qualquer matéria de interesse da sociedade.

Reunião de acionistas convocada obrigatoriamente pela diretoria de uma sociedade anônima para verificação dos resultados, leitura, discussão e votação dos relatórios de diretoria e eleição do conselho fiscal da diretoria.

É a reunião mensal de consorciados destinada à contemplação, à prestação de informações sobre o grupo e à tomada de decisões previstas no Contrato de Adesão.

Termo que vem do inglês e significa alocação de recursos. Muito usada com referência a escolha dos ativos financeiros (ex. ações, dólar, títulos de renda fixa, etc) que são usados na composição de uma carteira de investimentos. Em geral, quando se aplica em um fundo de investimento recomenda-se que o investidor analise com cuidado o prospecto para que saiba a forma com que o gestor está alocando os ativos do fundo, ou seja, para entender o asset allocation deste fundo.

Termo que determina propriedades ou itens de valor possuídos por uma empresa ou pessoa. No caso das empresas, representa todos os itens que a empresa possui e que estão contabilizados em seu balanço patrimonial. Em geral, os ativos de uma empresa são alocados em três categorias, de acordo com a sua liquidez e duração (ativo circulante, realizável no longo prazo e permanente). O total de ativos de uma empresa equivale à soma dos seus passivos e de seu patrimônio líquido. Também usado para denominar o nome fantasia pelo qual a empresa e suas ações são conhecidas na BOVESPA.

Um dos componentes do balanço patrimonial das empresas. O ativo circulante reflete a soma de todos os ativos de uma empresa que podem, no curto prazo (até 365 dias), ser convertidos em liquidez, ou seja, vendidos de forma a aumentar o caixa da empresa. Em geral, o ativo circulante inclui contas como disponibilidades, créditos, estoques etc. Contabilmente, somente são incluídos no ativo circulante de uma empresa os bens e direitos que a empresa deve realizar em um prazo inferior a 365 dias da data do último exercício social.

O ativo imobilizado é composto da soma dos bens tangíveis utilizados nas atividades operacionais da empresa e que não devem ser convertidos em dinheiro, ou consumidos no curso das atividades da empresa (ex. imóveis, maquinário, equipamento, terrenos etc.).

Um dos componentes do balanço patrimonial das empresas. O ativo permanente reflete a soma dos ativos imobilizados (imóveis, maquinário etc.) e dos investimentos de longo prazo (participações em empresas coligadas etc.) de uma empresa.

O conceito de Ativo Rentável é utilizado somente para instituições financeiras e reflete a soma de todos os ativos que geram um retorno financeiro para a instituição. O retorno total desses ativos está incluído na receita bruta de intermediação financeira da instituição.

Termo que define os ativos de uma empresa, que não têm representação física imediata. Fazem parte dos ativos intangíveis de uma empresa as patentes, franquias, nomes e marcas etc.

Evento que acontece quando a fatura não é paga na data de vencimento, ou no 1º dia útil seguinte a este, quando o vencimento acontece em um sábado, domingo ou feriado. Neste tipo de situação, o portador do cartão deve pagar multas e encargos, sendo que em geral estes são cobrados na fatura seguinte. O pagamento inferior ao valor mínimo expresso na fatura também é considerado como atraso e, como tal, sujeito aos encargos previstos neste tipo de situação.

Profissional que usa métodos matemáticos complexos para determinar a sinistralidade, assim como outras estatísticas, além de desenvolver sistemas de cálculo de prêmios futuros.

Termo usado para refletir mudanças na estrutura de capital de uma empresa, através da incorporação de novos recursos (ou reservas) ao capital da empresa. Uma empresa pode efetuar um aumento de capital através de aportes dos seus acionistas, que pode ocorrer na forma de emissão de novas ações no mercado, pela incorporação do capital de outras empresas, mediante bonificação (distribuição gratuita de novas ações aos acionistas) etc.

Termo que se refere à alteração do valor nominal da ação de uma empresa, que ocorre em decorrência da incorporação de reservas de capital da empresa sem que sejam emitidas novas ações.

Termo usado para designar o direito que o participante de um plano de previdência complementar possui de manter as contribuições a esse plano no momento em que cessar o vinculo profissional. Nesse caso o participante deve arcar não apenas com a sua parcela das contribuições, mas também com aquela que era efetuada pela empresa empregadora.

Antes de concluir uma compra com cartão, o estabelecimento comercial pede ao banco emissor autorização, para tanto fornece o número do cartão, o valor da compra e a validade do mesmo. A resposta é dada via equipamento eletrônico (chamado 'Point of Sale', ou POS), ou pela central de atendimento telefônico, através de um código que garante o recebimento do valor da operação efetuada.

Documento que autoriza ao fornecedor do bem ou conjunto de bens a emitir nota fiscal e entregar o bem ao consorciado com a responsabilidade de pagamento pela administradora.

Trata-se de uma garantia dada por uma pessoa física (ou jurídica), que se responsabiliza pelo pagamento da dívida, caso o tomador do crédito não honre seu compromisso. Para tanto, é preciso que o avalista consiga comprovar que poderá honrar o compromisso através de patrimônio, inexistência de restrições cadastrais etc.

O Departamento de Trabalho dos EUA divulga mensalmente a média de ganhos  por hora trabalhada, através de uma pesquisa realizada em 375 mil empresas.

O Departamento de Trabalho dos EUA divulga mensalmente a estimativa de médias de horas trabalhadas por semana, através de uma pesquisa realizada com cerca de 375 mil empresas.

Termo usado com frequência nos contratos de seguros de transportes que denomina o documento usado pelo segurado para informar a seguradora sobre verbas e objetos usados para garantir apólices em aberto.

Termo que é usado para denominar a pessoa jurídica (empresa) que contrata um plano de previdência privada que, no entanto, não participa do custeio do mesmo. Nos planos de previdência a empresa pode participar como patrocinadora, e efetuar contribuições ao plano dos seus funcionários, ou simplesmente como averbadora.

B

Sigla em inglês que significa "Business to Business", em português, transação de empresa com empresa. Este termo é usado para definir os negócios entre empresas, que são conduzidos através da internet.

Sigla em inglês que significa "Business to Consumer", em português, transação de empresa com consumidor. Este termo é usado para definir os negócios entre uma empresa e seus consumidores, que são conduzidos através da internet. Estes negócios podem incluir desde a oferta de serviços de pós-venda, de promoção, assim como propaganda aos clientes da empresa.

São títulos representativos de valores mobiliários de emissão de companhia aberta, ou assemelhada, com sede no exterior.

Criado em 1964, é o principal órgão executivo do sistema financeiro nacional, incorporando uma série de atividades até então exercidas pelo Banco do Brasil. O Bacen é o órgão responsável pela gestão do sistema financeiro, funcionando como o banqueiro do Governo. Dentre as suas principais funções estão: Compra e venda de títulos federais (sobretudo através de operações no open market), tanto com o objetivo de financiamento do Tesouro Nacional quanto de execução da política monetária. Recebimento de depósitos compulsórios e voluntários do sistema bancário, assim como realização de operações de redesconto e outros tipos de empréstimos às instituições financeiras. Autoriza o funcionamento, fiscaliza e aplica as penalidades previstas às instituições financeiras, de acordo com as normas determinadas pelo CMN (Conselho Monetário Nacional). É o depositário das reservas internacionais do país e o co-responsável (juntamente com o Tesouro Nacional) pela política de captações externas brasileiras. É responsável pela emissão de papel moeda e moeda metálica.

O Banco Central Europeu (BCE) tem por missão assegurar a execução da política monetária européia definida pelo Sistema Europeu de Bancos Centrais. Os órgãos de decisão do BCE (o Conselho do BCE e a Comissão Executiva) dirigem o Sistema Europeu de Bancos Centrais (SEBC), que tem a seu cargo a gestão da massa monetária, a condução das operações cambiais, a detenção e a gestão das reservas cambiais oficiais dos Estados-membros e a promoção do bom funcionamento dos sistemas de pagamento.

É um banco responsável pelos serviços de transferência e agenciamento de ações de um programa de ADR´s. Esta função inclui a escolha de um custodiante para aceitar o depósito das ações, a emissão de certificados negociáveis que representam as ações, a manutenção do registro de acionistas de forma a refletir todas as transações, além da distribuição dos dividendos aos investidores que compraram os ADR´s.

Indicador usado em análise técnica. Em um gráfico de ações as Bandas de Bollinger são definidas pela área de um desvio padrão abaixo e outro acima da média do preço da ação nos últimos N dias. As bandas representam um envelope aos níveis de suporte e resistência. Em geral, ocorrem fortes oscilações no preço da ação de uma empresa depois que as bandas se aproximam da média. Movimentos fora das bandas sugerem a continuação da tendência. Altas e baixas fora das bandas, seguidas de altas e baixas dentro das bandas indicam reversão de tendência.

Segundo a Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços), são instituições que autorizam o uso de sua marca e de sua tecnologia por emissores e credenciadoras de estabelecimentos. Essas marcas aparecem nos cartões e nos estabelecimentos credenciados.

Título de curto prazo emitido pelo Banco Central, para fins de política monetária, exclusivamente sob forma escritural no Selic. A rentabilidade desses títulos pode ser pré ou pós-fixada e é definida pela taxa Selic.

Os BDRs (Brazilian Depositary Receipts) são recibos emitidos por um banco depositário brasileiro e que representam ações de um emissor estrangeiro que se encontram depositadas e sob custódia deste banco. Os BDRs dão ao investidor brasileiro a oportunidade de investir em empresas estrangeiras sem ter que sair da Bovespa.

Termo da língua inglesa, significa que o mercado está em tendência de queda. A associação ao "bear" (urso) deve-se à forma como esse animal ataca suas vítimas, que é com uma patada vinda de cima para baixo.

Os 12 Federal Reserve Banks (bancos centrais regionais dos EUA) compilam informações sobre a situação econômica nas suas áreas de atuação e divulgam esses dados no relatório denominado Beige Book (Livro Bege). A publicação não expressa a opinião do Federal Reserve sobre a economia do país, sendo apenas um indicativo da atividade econômica de cada região. Seus dados são usualmente considerados pelo Fomc (Federal Open Market Committee) na definição da taxa básica de juro norte-americana.

É o bem objeto do grupo, indicado na Proposta de Adesão, que poderá consistir em bem ou conjunto de bens, novos, de produção nacional ou estrangeira, ou em percentuais do valor desse bem ou conjunto de bens.

É o bem ou conjunto de bens escolhido na Assembléia Geral Extraordinária, ou pelo consorciado contemplado, em substituição do bem ou conjunto de bens, nas hipóteses previstas neste contrato, também designado apenas como bem ou conjunto de bens.

 

Referencial utilizado pelo Fundo de Investimento para acompanhar o seu desempenho. Exemplo: Os Fundos de Renda Fixa costumam ter como benchmark o CDI (Certificado de Depósito Interbancário), ao passo que os Fundos  de Ações têm o Ibovespa como referência mais utilizada.

Termo utilizado na indústria de seguros e de previdência. No caso dos seguros, o beneficiário é a pessoa física ou jurídica que tem direito à indenização paga pela seguradora. Já no caso dos planos de previdência privada denomina a pessoa apontada na proposta de inscrição que irá receber pagamentos relativos a resgates ou benefícios, em caso de falecimento do titular do plano.

Termo que denomina o pagamento em dinheiro feito pela empresa de previdência ao participante ou aos seus beneficiários a partir da data de concessão do benefício, como determinado na proposta de adesão ao plano de previdência. Os chamados benefícios de risco são aqueles que ocorrem após a ocorrência de um fato gerador, que pode ser a invalidez ou morte do participante.

Tipo de regime em que o participante de um fundo de pensão pode permanecer no fundo mesmo que deixe de efetuar contribuições, nesse caso, ao se aposentar terá direito aos benefícios proporcionais ao tempo de contribuição. Ainda que nem todo participante possa ter direito ao BPD, já que é preciso comprovar que contribuiu por pelo menos três anos ao fundo de pensão, todos os planos de previdência complementar devem estar preparados para oferecer o benefício a quem tiver direito.

Engloba os bens que são utilizados para a produção de outros bens, como é o caso, por exemplo, das máquinas, equipamentos etc.

Engloba os bens de consumo que prestam serviço por um período de tempo relativamente longo, como é o caso, por exemplo, das máquinas de lavar roupa, geladeiras e até mesmo dos automóveis.

Medida de risco diversificável de uma ação. O coeficiente beta pode ser visto como um índice do grau do retorno relativo de uma ação em relação ao retorno do mercado (Ibovespa). O beta do mercado é igual a 1 e todos os outros betas são calculados em relação a esse valor. Um beta positivo sugere que a ação move na mesma direção do mercado, enquanto um negativo sugere um movimento na direção oposta. Betas positivos são mais comuns que negativos. Uma ação com um beta igual a 2.0, reage duas vezes mais que o mercado, ou seja, experimenta uma mudança de 2% em seu retorno para cada mudança de 1% no retorno do mercado.

Termo usado para determinar o preço de compra de um título no mercado. Assim, por exemplo, o termo "bid-offer" spread se refere à diferença entre o preço que as instituições financeiras cobram para comprar um determinado ativo dos investidores em relação ao preço que cobram para vender esse mesmo ativo a um investidor interessado. Por exemplo, se a cotação "bid", ou de compra, do dólar é de R$ 3,30 e a cotação "offer", ou de venda, é de R$ 3,60 o "bid-offer" spread é de R$ 0,30, que reflete o ganho da instituição ao comprar e vender um mesmo ativo financeiro.

É o termo usado para definir situação em que dois impostos decretados por entidades distintas incidem sobre o mesmo bem ou fato gerador.

Negociação de um grande lote de ações nas bolsas de valores, normalmente sob a forma de leilão. No caso do lote representar uma proporção significativa do capital da empresa, muitas bolsas, incluindo a Bovespa requerem que o mercado seja avisado com antecedência para reduzir a volatilidade do mercado.

 

É uma companhia de capital brasileiro, formada em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores de São Paulo e da Bolsa de Mercadorias & Futuros. Reúne a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), onde são negociadas as ações (mercado de capitais) e a Bolsa de Mercadorias e Futuros (a BM&F), que negocia, entre outros itens, as commodities agropecuárias.

Bolsa onde se negociam mercadorias (commodities), tais como café, açúcar, algodão, etc, assim como contratos futuros de ativos e mercadorias como: taxas de juros, taxas de câmbio, índice de ações, ouro, cupom cambial, títulos da dívida, soja, milho, açúcar, café, boi gordo, álcool anidro e algodão. As negociações são feitas nos mercados à vista e de futuros. A maior bolsa de mercadorias do Brasil é a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), fundada em 1971. Para negociar na BM&F é necessário intermediação de uma corretora de mercadorias e um registro na própria bolsa. Em 25/03/2008, foi realizada a fusão entre as bolsas Bovespa e BM&F, criando a BM&FBovespa, a terceira maior bolsa de valores do mundo em ordem de valor de mercado.

Órfão governamental responsável pela implementação de políticas de investimento empresarial de longo prazo, BNDES sigla que designa o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social. Dentre as principais responsabilidades do BNDES estão: impulsionar o crescimento da economia, atuando como instituição de fomento; fortalecer o empresariado nacional; promover a diversificação e o crescimento das exportações; criar pólos de produção para diminuir possíveis desequilíbrios regionais. As atividades de fomento da instituição são conduzidas através de programas especiais como, por exemplo, o Finame, Finem e Finac.

Controlado pela Caixa Econômica Federal, o BNH gerenciava recursos próprios do SFH, fundos e créditos vinculados, e tinha unidade monetária própria, a unidade padrão de capital (UPC).

Termo em inglês que denomina um grupo de sete membros, nomeados pelo Presidente da República dos EUA e aprovados pelo Senado, para um mandato de 14 anos. Os membros, em conjunto com presidentes de bancos centrais regionais, formam o FOMC (Federal Open Market Commitee), órgão responsável pela condução de política monetária e definição da taxa de juros nos EUA.

Lugar onde se negociam títulos e valores mobiliários (sobretudo ações, opções, direitos e debêntures). A BM&FBOVESPA é a principal instituição brasileira de intermediação para operações do mercado de capitais e a única bolsa de valores, mercadorias e futuros em operação no Brasil.

Distribuição gratuita de novas ações aos acionistas, na proporção da quantidade de ações já possuída por cada um destes acionistas. Esta distribuição, em geral, ocorre em virtude da incorporação ao capital da empresa de reservas ou lucros acumulados, ou da reavaliação dos ativos da empresa. As empresas também podem efetuar bonificação em dinheiro. Neste caso o acionista recebe da empresa um valor monetário relacionado às reservas não incorporadas, sendo que este pagamento é feito além do pagamento de dividendos.

C

Uma das aplicações mais conhecidas no mercado brasileiro, a caderneta de poupança é o sinônimo de segurança para muitos investidores, pois conta com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Através dele o investidor que aplica na poupança tem garantia de recebimento dos valores aplicados, mesmo em caso de quebra do banco, até o limite de R$ 60 mil por CPF/CNPJ. Uma das maiores críticas com relação à poupança reside na sua baixa rentabilidade comparativa. Os depósitos de poupança são isentos da cobrança do imposto de renda para pessoa física, tendo remuneração composta pela TR (correção monetária) + 0,5% (juros) ao mês, com aniversário a cada 30 dias.

Termo inglês usado no mercado de opções e significa opção de compra. Quando um investidor compra uma opção de compra, ele paga um prêmio para adquirir o direito de comprar um determinado ativo financeiro por um preço previamente determinado durante o prazo de vigência ou no vencimento da opção.

Define toda a operação em que existe troca de moeda nacional por moeda estrangeira, ou vice-versa. Ao viajar, um turista troca moeda nacional, por moeda estrangeira num banco. Ao retornar, se ainda sobrou moeda estrangeira, é possível trocá-la no banco por moeda nacional. No jornal é possível encontrar várias taxa de câmbio para uma mesma moeda. Em todos os casos existe sempre uma cotação de compra e outra de venda, a diferença entre as duas taxas é chamada spread que é o que determina o ganho da instituição financeira na operação. Isto porque a taxa de venda é aquela usada pelo banco para determinar a cotação pela qual irá vender dólares para os investidores, enquanto a taxa de compra é aquela que paga pelos dólares que os investidores lhe vendem. Como era de se esperar, a taxa de compra é menor que a taxa de venda, quanto maior esta diferença maior o spread e o ganho do banco.

Política cambial de um país em que a moeda local varia de acordo com a oferta e a procura de moeda conversível (normalmente dólar), sendo que essa procura pode flutuar de acordo com vários fatores dentre os quais a situação político-econômica do país, situação do mercado internacional etc.

Operação de conversão de Reais por uma moeda estrangeira no mercado paralelo. O termo dólar paralelo, por exemplo, é usado para definir a cotação de compra ou venda da moeda norte-americana fora dos canais de conversão autorizados pelo Banco Central. Em diversas ocasiões é executado através da troca física de moedas, contrastando com o dólar cabo, onde a transação é eletrônica. Todos os negócios realizados no mercado paralelo, bem como a posse de moeda estrangeira sem origem justificada, são ilegais e sujeitam o cidadão, ou a empresa, às penas da lei.

Termo utilizado em análise técnica (ou grafista) para definir, no gráfico de ações, quando se pode traçar uma reta aproximadamente paralela à linha de tendência por dois máximos (no caso de alta), ou dois mínimos (no caso de baixa). Em geral o canal de tendência sugere um movimento futuro provável da ação no caso de alta ou baixa.

Termo usado para definir um tipo de gráfico utilizado em análise técnica, este gráfico mostra simultaneamente as cotações de abertura e de fechamento, máximas e mínimas de uma ação.

É a soma de todos os recursos, bens e valores, mobilizados para a constituição de uma empresa.

Parcela da subscrição de capital que o acionista de uma empresa ainda deverá pagar, isto é, que ainda não foi colocada na empresa.

São empresas cujos valores mobiliários, como ações, por exemplo, estão registrados na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), e que estão admitidos à negociação no mercado de títulos e valores mobiliários, de bolsa ou de balcão. A CVM classifica as companhias de capital aberto em categorias, conforme as espécies e classes dos valores mobiliários por ela emitidos, negociados nesses mercados. As companhias de capital aberto se sujeitam ao cumprimento de uma série de normas com relação a demonstrações financeiras, fatos relevantes, parecer de auditores etc.

Certificado de Depósito Interbancário, ou seja, taxa média de empréstimos feitos entre bancos comerciais. É um índice bastante utilizado por Fundos de Investimento Multimercados.

Palavra em inglês que significa mercadoria. São produtos básicos, homogêneos e de consumo que podem ser produzidos e negociados por uma ampla gama de empresas. Podem ser produtos agropecuários, industriais, minerais e até mesmo financeiros. Exemplos: soja, algodão, petróleo, moedas mais requisitadas (dólar e euro), ações de grandes empresas, títulos de governos nacionais.

Fração correspondente ao patrimônio líquido de um Fundo de Investimento. O valor da cota é o resultante da divisão do patrimônio líquido do Fundo pelo número de cotas existentes. Quando alguém aplica capital em um Fundo, está comprando as cotas desse Fundo, tornando-se um cotista daquele investimento. Os valores dessas cotas são calculados diariamente.

D

É como se apresentam as datas no mercado financeiro. A letra D significa o dia útil ou corrente (de acordo com o regulamento do fundo) da realização da operação e a letra N, representada sempre em números, significa os dias decorrentes da data da operação. Exemplo: Uma aplicação feita em D0 significa que a conversão será feita no mesmo dia da solicitação. Em D1, quer dizer que a conversão será feira no dia seguinte à solicitação.

Termo que denomina o prejuízo sofrido pelo segurado e que é indenizável de acordo com as condições previstas na apólice. Alguns tipos de danos: Dano corporal, tipo de dano caracterizado por lesões físicas causadas ao corpo da pessoa, sendo que não fazem parte desta definição os danos estéticos; Dano material, tipo de dano causado exclusivamente às propriedades materiais de um determinado segurado.

O DARF é um documento que tem por finalidade recolher todos os impostos e contribuições recolhidos pela Secretaria da Receita Federal. Pode ser adquirido em qualquer papelaria ou através do site da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br).

Dia em que a ação começa a ser negociada na Bolsa de Valores sem direito a proventos, como dividendos ou juros sobre capital próprio. Em geral, as ações sofrem um ajuste para baixo nas cotações nesta data, refletindo o fato de que o investidor não tem mais direito aos proventos, que já foram creditados no pregão anterior.

Termo usado no setor de previdência que se refere a data em que o contratante do plano de previdência começará a receber seus benefícios. Esta data em geral está determinada nos contratos dos planos de previdência e não precisa coincidir com a data de aposentadoria da pessoa.

Nome dado à operação de compra e venda de ações ou títulos realizadas em um mesmo dia.

Título de crédito privado, ou seja, emitido por uma empresa, para captar recursos, investir ou pagar dívidas. É negociado no mercado financeiro. Pode ser de baixo ou de alto risco de inadimplência, embora o risco de volatilidade normalmente seja baixo. Sua finalidade principal é financiar os projetos de investimento ou alongar dívidas da empresa.

Operações em que o valor das transações depende do comportamento futuro de outros mercados, como o de ações ou de juros.

Valor distribuído aos acionistas, em dinheiro, na proporção da quantidade de ações possuídas. A decisão de pagamento de dividendos passa pela capacidade de geração de caixa e situação financeira da empresa. O valor a ser pago pode ser fixado em função de parcela (%) do lucro líquido do exercício, parcela da geração de caixa livre, parcela do capital social ou um evento extraordinário.

É um índice criado para medir a rentabilidade dos dividendos de uma empresa em relação ao preço de suas ações. Este índice traz o beneficio de poder comparar a rentabilidade dos dividendos entre empresas.

E

Emissões de títulos públicos realizadas diretamente aos mais diversos agentes econômicos nos termos da Lei, que se destinam à securitização das dívidas da União, operações estruturadas, assunção e refinanciamento das dívidas de Estados, Municípios e empresas estatais.

Os cartões de crédito podem ser emitidos por instituições financeiras e por administradoras. Além de emitir, administram (cartões próprios ou de terceiros), as instituições também concedem crédito direto ao portador do cartão. Já as administradoras são empresas não financeiras, que como tal não concedem crédito, mas representam os portadores perante às instituições financeiras para a obtenção de crédito. O relacionamento do portador no uso do seu cartão deve ser feito com o emissor, já que é ele quem estabelece os limites desse crédito, e é responsável pelos benefícios do seu cartão (consultas, atendimento, emissão de faturas, programas de milhagem, etc.). Os emissores trabalham em parceria com as "bandeiras".

No mercado de ações refere-se à taxa paga à Bolsa de Valores por os negócios de compra e venda serem realizados em suas instalações. Já no mercado segurador, refere-se às despesas adicionais cobradas do segurado peça companhia seguradora, incluindo os impostos e encargos incidentes sobre o seguro.

É o indicador usado em análise financeira, expressa a relação entre o capital da empresa contribuído por terceiros e aquele contribuído por seus acionistas. Um indicador baixo significa que a empresa pode ter mais flexibilidade para levantar empréstimos com terceiros, e vice-versa. O endividamento sobre patrimônio de uma empresa é determinado como sendo o resultado da divisão da dívida líquida da empresa pelo seu patrimônio líquido.

É o documento usado na indústria de seguros que modifica a apólice de seguro, também é usado quando ocorre alteração do contrato de seguro e pode ser conhecido pelo termo "aditivo". Transferência da propriedade de um título através de declaração por escrito, geralmente feita no verso, como acontece com os cheques.

Termo em inglês que denomina o Patrimônio Líquido de uma empresa e pode ser calculado como a diferença entre os ativos totais e os passivos de uma empresa, usado também para se referir a investimentos em ações.

É o termo usado na indústria de seguros, que denomina a pessoa física ou empresa que contrata um seguro a favor do Segurado.

É a sigla para “exchange traded funds”, ou fundos de investimento com cotas negociadas em Bolsa. O ETF é um fundo que segue um índice – o Ibovespa, por exemplo. Esse tipo de produto permite ao investidor ter uma carteira bastante diversificada mesmo sem ter muito dinheiro. As cotas são compradas e vendidas pelo home broker.

Parcela de uma carteira cujo o valor financeiro está sujeito às oscilações de um determinado ativo, índice ou mercado.

 

F

 

G

Estratégia onde o gestor visa maximizar a rentabilidade dos investimetnos, procurando superar um determinado índice de referência (benchmark).

Pessoa física ou jurídica credenciada como administradora de carteira de valores mobiliários pela CVM e responsável pela execução da política de investimento de um Fundo de Investimento. Decide o momento adequado para realizar operações, analisando o nível de risco e os tipos de ativos utilizados para posicionamento em mercado. O gestor pode ser um Banco ou instituição financeira, ou um Gestor Independente.

Gestor de Fundo de Investimento não ligado a uma instituição financeira cuja atividade principal é a gestão de recursos de terceiros. Seu objetivo é agregar valor à gestão de recursos e buscar estratégias diferenciadas para os investidores.

H

Estratégia de proteção financeira realizada nos mercados derivativos. Tem o objetivo de eliminar o risco que o agente econômico está exposto no mercado à vista, assumindo no mercado derivativo posição oposta à detida no mercado à vista. Pode ser entendido como um seguro contra o risco de preço do mercado.

É um moderno canal de relacionamento entre os investidores e as sociedades corretoras, que torna mais ágil e simples as negociações no mercado acionário. O Home Broker permite o envio de ordens de compra e venda de ações e outros ativos pela Internet, possibilita acesso às cotações e acompanhamento de carteiras de ativos, entre vários outros recursos.

I

O Índice Bovespa é o mais importante indicador do desempenho médio das cotações do mercado de ações brasileiro. É um índice bastante utilizado por Fundos de Investimento em Ações.

Índice Geral de Preços do Mercado. Calculado pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), esse índice origina-se da média ponderada de índices que medem a inflação dos preços ao atacado, ao consumidor e da construção civil - respectivamente, o IPA-M (60%), do IPC-M (30%) e do INCC-M (10%).

Índice de renda fixa calculados com base na evolução do valor de mercado de carteiras compostas por título públicos atrelados ao IPCA (NTN-B).

L

Títulos de dívida pública, isto é, emitidos pelo governo. São de curto prazo e praticamente livres de risco.

É o pagamento dos recursos financeiros, provenientes da conversão de cotas em dinheiro, após a solicitação do resgate em um Fundo de Investimento.

Compra de uma ação que possui melhores projeções futuras e venda de uma outra com piores projeções. Essa operação não depende do rumo do mercado e sim do retorno relativo entre duas ações.

Sigla para Letra Financeira do Tesouro. Título público, vinculado à taxa SELIC, que rentabiliza diariamente.

Sigla para Letras do Tesouro Nacional. Título de divida prefixado usado pelo Tesouro como instrumento de captação de recursos para financiar a divida interna.

M

Mercado em que é assumido compromisso de compra e/ou uma venda para liquidação em data futura, ficando as partes compradora e vendedora vinculadas uma à outra até a liquidação do contrato.

Mercado onde os negócios são realizados com o objetivo de se efetuar uma compra e/ou venda imediata de um ativo real ou financeiro, com liquidação física e financeira no mesmo instante da negociação.

Conjunto de instituições, como bolsas de valores e instituições financeiras (bancos, corretoras, bancos de investimento, seguradoras), ligadas à intermediação de ativos financeiros (ações, títulos de dívida em geral). A principal função do mercado de capitais é canalizar à poupança (recursos financeiros) da sociedade para o comércio, a indústria, outras atividades econômicas e para o próprio governo. Distingue-se do mercado monetário que movimenta recursos a curto prazo, embora tenham muitas instituições em comum.

Mercado em que uma parte adquire de outra o direito de comprar (opção de compra) ou vender (opção de venda) o objeto de negociação, até ou em determinada data, por preço previamente estipulado. Tal objeto de negociação constitui-se em contratos padronizados representativos de um ativo financeiro ou de uma mercadoria no mercado disponível ou no mercado futuro.

Mercado em que as partes trocam um índice de rentabilidade por outro, com o intuito de fazer headge (proteção da carteira), casar posições  ativas com posições passivas, igualar preços, arbitrar mercados ou até alavancar sua exposição ao risco.

Mercado em que as partes assumem compromisso de compra e/ou venda de determinada quantidade de um ativo financeiro ou real, para liquidação (física e/ou financeira) em data futura. As operações do mercado futuro são realizadas em pregão, através da compra e venda de contratos autorizados pela Bolsa, a qual estabelece a padronização dos mesmos.

Mercado formado por bancos comerciais e empresas financeiras de crédito que também participam do mercado de capitais.

Mercado no qual são negociados contratos referenciados em ativos financeiros, índices, indicadores, taxas, moedas ou mercadorias, com vencimento e liquidação estabelecidos para uma data futura e por preço determinado.

Valor mínimo para resgatar ou aplicar recursos em um Fundo de Investimento após a aplicação inicial.

N

Documento que a sociedade corretora apresenta ao seu cliente, registrando a operação realizada, com indicação da espécie, da quantidade de títulos, do preço, da data do pregão, do valor da negociação, da corretagem cobrada e dos emolumentos devidos.

Sigla para Notas do Tesouro Nacional. Título público com rentabilidade atrelada a um indicador (IPCA, IGP-M, Variação do Dólar ou taxa pré-fixada), acrescida de juros definidos no instante da compra.

O

Alternativa de investimentos baseada em um outro ativo. Nesta operação, o comprador adquire o direito de comprar ou de vender um direito futuro sobre ações ou contratos futuros a um preço (prêmio). O vendedor assume a obrigação de vender ou comprar o referido ativo, nas condições definidas, no caso de o comprador decidir exercer o seu direito.

Operações em que um título é vendido e, após período pré-determinado, há compromisso do vendedor em recomprá-lo pelo valor acordado na ocasião da venda.

R

Classificação de risco de um banco, de um país ou de um ativo feita por uma empresa especializada. Uma agência de rating oferece opiniões atualizadas e independentes sobre a capacidade do emissor de um ativo pagar suas dívidas e honrar seus compromissos financeiros.

Valorização (ou desvalorização) de um certo investimento em determinado período. A rentabilidade pode ser nominal ou relativa quando é comparada à rentabilidade de algum outro ativo ou índice. É expresso sob a forma de porcentagem em relação ao investimento.

Solicitar a conversão de cotas de um Fundo de Investimento em recursos financeiros para serem depositados em sua conta.

Risco dos emissores de títulos e valores mobiliários que integram a carteira do Fundo de Investimento não cumprirem com suas obrigações de pagar tanto o principal como os respectivos juros de suas dívidas. O risco de crédito está relacionado aos títulos de emissores privados.

Consiste na eventual dificuldade que o administrador possa encontrar para vender os ativos que compõem a carteira do fundo, ficando impossibilitado de atender aos pedidos de resgate do investimento.

Apuração do potencial de perda financeira de uma carteira associada única e exclusivamente à oscilação das variáveis de mercado.

S

Diferença entre o preço de compra e de venda de um ativo.

Acordos de troca de rendimentos gerados por dois ativos diferentes. Os tipos mais convencionais de swaps são acordos de troca de juros pagos por títulos diferentes ou títulos denominados em moedas diferentes.

T

Taxa paga pelo Fundo de Investimento para remunerar os prestadores de serviço que administram os investimentos de seus quotistas. É um percentual ao ano descontado diretamente do patrimônio líquido total do Fundo.

Taxa paga pelo Investidor de um Fundo de Investimento quando a rentabilidade do Fundo supera a de um indicador de referência. Serve para remunerar uma boa gestão dos recursos, como se fosse um prêmio pelo trabalho executado. Também conhecida como "taxa de sucesso", esse indicador é previamente estabelecido e existe uma periodicidade mínima para sua cobrança. Nem todos os Fundos cobram taxa de performance, apenas os que operam renda variável ou aqueles voltados para investidores qualificados.

Taxa média ajustada dos financiamentos diários apurados no Selic (Sistema Especial de Liquidação e de Custódia) para títulos federais. Sua meta é definida nas reuniões do Comitê de Política Monetária do Banco Central (COPOM).

Taxas que acompanham a variação da taxa de juros ou um índice de preços.

Taxas que rendem uma taxa de juros previamente acordada.

Títulos cujos rendimentos real e nominal só são conhecidos por ocasião do resgate ou da venda, uma vez que o valor da venda oscila em função das condições de mercado.

Títulos sujeitos à flutuação de mercado, isto é, que paga uma renda fixa estabelecida no contrato de emissão do título, mais uma renda variável que cobre as perdas causadas pela inflação. É um papel indexado à taxa de inflação, de acordo com um índice previamente estabelecido (IPCA, CDI, entre outros).

Aplicação onde antes mesmo de se aplicar o capital, o investidor sabe o quanto seu investimento irá render após certo período. Ou seja, paga uma renda fixa estabelecida no contrato de emissão do título, independentemente da taxa de inflação.

Títulos de dívidas emitidos pelo tesouro nacional, cujo risco de crédito é soberano (governo brasileiro). Os títulos públicos podem estar atrelados a indexadores como inflação, taxa de câmbio ou taxas de juros. Ou ainda serem simplesmente pré-fixados.

V

De maneira genérica no mercado financeiro indica o valor que um investidor receberia por um determinado ativo caso o mesmo fosse vendido no mercado naquele mesmo dia. Bastante usado com referência ao mercado de ações, esse indicador expressa o valor de mercado do total das ações de uma empresa e é calculado como: ValMerc = Cotação*Quantidade total de Ações.

Indicador de risco que mostra a intensidade e frequência de variações da cotação de um ativo, índice, título ou valor mobiliário em relação ao seu valor médio e em um determinado período. É uma medida de risco que um Fundo de Investimento apresenta com relação ao valor de suas cotas diárias.

[d]
[d]